Mesa redonda: Como garantir a qualidade da Formação Médica?

O DACA realizou na última segunda-feira (30/07) a Mesa Redonda “Como garantir a qualidade da Formação Médica?”. O evento se propôs a debater o Projeto de Lei Nº 165 do Senado Federal, que dispõe sobre os Conselhos de Medicina e dá outras providências para instituir o Exame Nacional de Proficiência em Medicina, uma avaliação terminal e obrigatória, necessária para exercer a medicina.

A mesa contou com a participação do Prof. Carlos Rodrigues, que fez um panorama da situação da Educação Médica hoje, abordando a distribuição de médicos pelo país e como se deu o aumento desenfreado na quantidade de Faculdades de Medicina, com a consequente queda na qualidade do ensino.

Em seguida, a Prof.ª Kátia Burle explicou o funcionamento do Exame do CREMESP, e apresentou dados sobre o desempenho dos estudantes que realizam o exame, se atentando para a nota em cada área de conhecimento e comparando o a aprovação dos estudantes de escolas públicas e particulares no exame.

Logo após, o Prof. Maurício Zanolli trouxe um contraponto ao debate, demonstrando as limitações do exame proposto em aprimorar a formação médica, bem como o seu caráter punitivista ao estudante, trazendo exemplos de como esse tipo de avaliação acontece em outros países.

Por último, a acadêmica Andressa Fragoso debateu tópicos do referido projeto de lei, destacando a falsa sensação de segurança que este traz à assistência médica e a desresponsabilização da instituição de ensino sobre a qualidade da formação. Também trouxe comparações sobre o Exame da OAB e como este falhou na proposta de melhorar a qualidade do ensino e reduzir a quantidade de cursos de direito no país.

Ao final das falas, foi aberto o microfone a plateia que trouxe dúvidas e colocações que foram elucidadas e comentadas pelos membros da mesa. O DACA agradece a todos que compareceram a mesa e contribuíram para o debate.

Deixe uma resposta